TRT-PE ‘apadrinha” crianças carentes da Orquestra do Alto da Mina

Doação. Desembargador Eduardo Pugliesi autografa livro que tem lucro destinado à orquestra

Na tarde da segunda-feira (23), o Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE) recebeu autoridades, advogados e servidores para apreciar a apresentação emocionante dos jovens que compõem a Orquestra de Câmara do Alto do Mina, sediada nos Bultrins, e que tem como regente o maestro Israel França. A ocasião também serviu para formalizar a assinatura do acordo de cooperação entre o TRT-PE e a Orquestra, que atende cerca de 50 crianças e adolescentes da comunidade de Olinda.

Durante a solenidade, o desembargador Eduardo Pugliesi lançou o livro “15 Votos e um caminho para a construção de uma justiça colaborativa e célere”, coordenado por ele e escrito por servidores de seu gabinete e cuja renda será totalmente revertida para o projeto. “Este livro é um instrumento para revelar à sociedade essa coisa grandiosa” declarou, visivelmente emocionado. O desembargador agradeceu a sua equipe, “que dedicou tempo pessoal para compor um instrumento de transformação social, de vidas e de histórias” e o apoio de todos os desembargadores à causa. “Nossa caneta não tem poder apenas para dizer o direito, mas de mudar a vida das pessoas. Estamos promovendo a fé, o amor, a esperança”, finalizou.

O presidente do Tribunal Regional do Trabalho-PE, desembargador Ivan Valença, elogiou o engajamento do desembargador Pugliesi, que, “com seu dinamismo e vasto conhecimento jurídico”, chegou para engrandecer a casa. Aos jovens da Orquestra, citou Rubem Alves: “Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música (...). A experiência da beleza tem de vir antes”, e concluiu: “Sigamos todos encantados com a beleza musical”.

Encantamento. Presidente do TRT-PE, desembargador Ivan Valença, cita educador Rubem Alves para mostrar o encantamento produzido pela arte

Entre uma regência e outra, o maestro Israel França agradeceu o apoio do Tribunal. “É muito difícil, para mim, falar, prefiro me expressar por meio da música. Estou muito feliz. É um sonho que só está começando, mas já é realidade”, disse. Para fechar a apresentação, conduziu a execução de Asa Branca, de Luiz Gonzaga, e, junto com seus pupilos, foi fortemente ovacionado pela plateia.

Israel França - Regente da Orquestra de Câmara do Alto do Mina, até se tornar um maestro internacionalmente conhecido, enfrentou uma realidade de pobreza semelhante à dos meninos a quem hoje ensina. Hoje procura retribuir a mesma oportunidade que teve anos atrás, ao ser apresentado ao mundo da música.

Guia. Maestro Israel França, menino pobre que encontrou na música um caminho, rege a orquestra

Texto: Mariana Mesquita

Fotos: Elysangela Freitas e Paula Barreto

Mais imagens aqui.