Magistrada do TRT-PE participa de debate sobre transtornos mentais

Convidados debateram transtornos mentais no ambiente de trabalho

A alta demanda de trabalho, o desequilíbrio entre esforço e recompensa, a dedicação exclusiva ao trabalho e o assédio moral, que abrange humilhações, perseguição e agressões verbais são os principais fatores que prejudicam a saúde mental no ambiente corporativo.

Dados do Anuário Estatístico da Previdência Social de 2015 ressaltam a importância da implementação de metodologias para a identificação da natureza acidentária dos transtornos mentais ou comportamentais. De acordo com as estatísticas, o número de auxílios-doença concedidos em razão deste tipo de moléstia tem crescido drasticamente.

De 2006 para 2007, por exemplo, o número de auxílios-doença acidentários por transtornos mentais subiu de 615 para 7.695 e, no ano seguinte, passou para quase 13 mil. No total, de 2004 a 2013, há um incremento da ordem de 1964% para esta concessão.

Para debater esse tema, a juíza do Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região (TRT-PE) Andréa Keust – titular da 8ª Vara do Trabalho do Recife, participou, na manhã desta quarta-feira (6), "ao vivo", do quadro televisivo de entrevistas Assunto do Dia - da Rede Brasil de Comunicação - RBC TV, ancorado pelo jornalista Waldson Balbino. O programa também contou com a presença do psiquiatra do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (IMIP) Frederico Maciel. Juntos, os convidados responderam às várias perguntas do apresentador e dos telespectadores.

O programa será reprisado, hoje, às 15h, pela Rede Estação, canal 14, e pelo site http://tv.rbc1.com.br/

Juíza Andréa Keust, apresentador Waldson Balbino e psiquiatra Frederico Maciel

Transtornos Mentais relacionados ao Trabalho foi o tema acolhido e aprovado para pautar o Programa Trabalho Seguro, da Justiça do Trabalho, no biênio 2016/2017. Nos últimos anos os temas adotados pelo Programa Trabalho Seguro foram setoriais e dessa vez a ideia foi abordar uma doença que está se generalizando em muitos ambientes de trabalho.

A ideia é promover debates no sentido de implantar medidas de prevenção e de detecção das causas destas moléstias para o próprio julgador ver que parâmetro vai usar para saber se realmente é um transtorno que merece alguma medida do Judiciário. É um tema muito oportuno para ser abordado, diante do crescimento de ações envolvendo esta problemática e do número crescente de afastamentos por transtornos mentais causados pelas condições laborais.

Texto/Foto: Fábio Nunes