Selo 100% PJe

Música muda vida de jovens moradores de comunidade em Olinda


O maestro Israel de França deixou a orquestra de Granada por três anos para coordenar o projeto

Do violoncelo, se escutam os primeiros acordes graves de Kanon, a peça mais famosa do alemão Johann Pachelbel. Em seguida, violinos e violas acompanham a sinfonia. A cena poderia descrever uma orquestra qualquer, mas os cerca de 30 instrumentos de corda são manuseados por crianças e jovens de uma das comunidades mais carentes de Olinda, localizada nos Bultrins. Há dois anos, eles integram a Orquestra de Câmara do Alto da Mina, iniciativa da Igreja Batista do bairro e do maestro Israel de França. Para continuar mudando a vida dos jovens através da música, o projeto ganha, formalmente, o apoio do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) em Pernambuco na próxima segunda-feira, quando acontece o lançamento de um livro com renda revertida para a orquestra.

A parceria, no entanto, existe desde o ano passado. Em agosto de 2016, o grupo teve instrumentos roubados durante sua primeira apresentação fora do Estado. A ajuda do TRT veio em seguida. “Fizemos uma rifa e conseguimos realizar a doação de 15 violinos para o projeto. Além disso, convidamos os jovens para tocar em vários eventos do tribunal”, conta o desembargador Eduardo Pugliesi. “O que queremos agora é oficializar o convênio de cooperação técnica e apoio institucional do tribunal. Assim, esperamos levar mais credibilidade ao trabalho realizado no Alto da Mina, que ainda tem muito pouco apoio. Nossa intenção é impactar o maior número de vidas possível.”

As aulas, gratuitas, acontecem diariamente, em uma casa cedida pela igreja. Ao todo, são 50 alunos, com idades entre sete e 18 anos, todos moradores da comunidade. Além do violoncelo, do violino e da viola, os jovens ainda têm a oportunidade de conhecer instrumentos de percussão e cantar em um coral.

“Não podemos ficar de braços cruzados esperando pelo poder público. Somos carentes de espaços nesta comunidade. Não temos escolas, nem postos de saúde. Por isso criamos o projeto, para tirar as crianças das ruas ou evitar que cheguem até elas. Ver esse resultado é uma vitória para nós”, comemora o pastor Paulo Cesar Pereira, um dos idealizadores da iniciativa.

À frente da orquestra está o maestro Israel de França que, assim como os jovens do Alto da Mina, foi salvo pela música. Filho de lavadeira e pedreiro, Israel nasceu no bairro de Peixinhos, em Olinda, e viveu uma vida de pobreza até ser descoberto, aos 13 anos, por um músico espanhol. Na Europa, estudou violino em Lisboa e Londres, chegando a reger a Sinfonieta de Granada, na Espanha. Mas o sonho sempre foi voltar às origens e transformar outras vidas. “Quero fazer algo parecido por eles. Eu acho que não poderia ir embora desta vida sem salvar outras. Eu tenho esse dever. Deixei a orquestra de Granada por três anos para estar aqui.”

Muito mais do que um exemplo profissional, Israel inspira os alunos a transformarem a realidade. Alice Batista entrou no projeto aos 18 anos e se apaixonou pelo violoncelo. Apesar de almejar sucesso na carreira, assim como o mentor, ela tem uma vontade maior. “Sonho em ser uma musicista bem sucedida, mas quero mais ainda seguir o exemplo do maestro e salvar vidas em comunidades.”

OBRA

O lançamento do livro 15 votos e um Caminho para a Construção de Justiça Colaborativa e Célebre, que terá lucro revertido para o projeto, acontece a partir das 16h, na sede do TRT da 6ª Região, localizado no Bairro do Recife. Na ocasião, haverá uma apresentação musical do grupo.

Texto: Amanda Rainheri
Foto: Bobby Fabisak/ JC Imagem